terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Amor

0 comentários
Lembro que eu não acreditava mais no amor, muito menos a primeira vista até você aparecer naquela noite de dezembro, que ficou marcada com você a sorrir para mim.
Quando me tirou para dançar, o mundo ao nosso redor parou, senti seu rosto no meu, suas mãos encontraram as minhas, meus pés não tocaram mais o chão, entendi os sinais do coração, que naquele momento batia forte descompassado.
Queria que aqueles segundos tivessem sido eternos, mas não foram, duraram o tempo de uma canção.
A cada amanhecer a lembrança ficava mais distante e meu coração mais aflito, queria te ver, onde estaria você?
A resposta: a me procurar!
A surpresa; você me encontrou!
A certeza: você sentiu o mesmo que eu.
ELA: - Fechava meus olhos para te encontrar naquele momento, agora os deixo aberto para que não te perca de vista. Tenho medo...
ELE: - Nos encontramos finalmente, venha fique a meu lado, vamos enfrentar isso juntos, então não teremos medo de viver nosso amor por estarmos machucados.
Não só a distância pode nos separar de um grande amor, mas também nosso passado esculpido por corações ingratos.

Dienifer Bitencourt
http://dieniferbitencourt.blogspot.com
dienifer_morzinho@hotmail.com
Santiago, RS



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

ATENÇÃO: A Casa do Poeta de Santiago não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos ou pelas idéias expressadas por estes. Os artigos publicados neste espaço são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as idéias pessoais dos mesmos.

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Lágrimas de Sangue

0 comentários
Contarei a vocês uma história de amor que se inicia muito feliz e até onde eu sei tem um final triste; Inicia-se com um casal, onde um enfeita a vida do outro, mas por ser assim tão bonito e único é o motivo para que suas vidas juntos sejam destruídas...
No começo flores e mais flores, um casal feliz e proibido, a princesinha e o plebeu, em primeiro momento todos fingiam estar a favor da união, achando que isto ajudaria com que eles percebessem por si próprios que, não poderiam ficar juntos, mas essa tática deu errado, todos perceberam a falha no plano mantido até o momento. O relógio marca meia noite hora de caírem as mascaras e mostrarem o seu verdadeiro EU. Começaram pouco a pouco separar os dois mais, uma falha surge, tentavam separar cada vez mais os dois corações e isso só os unia mais; até o momento em que suas almas apaixonadas não aguentaram, a opressão era muita, então em surto de desespero. Pelo bem de todos decidiram se separar;
Mas como se desenlaçar de um amor tão forte e puro...?
Bem, não há como. Em um certo momento da conversa que estavam tendo, de seus olhos lágrimas de sangue rolaram, com elas tiveram a idéia de escrever o que aconteceu e o que iria acontecer então pegaram-nas e começaram. Contaram a sua história e já em seu fim um completava a frase do outro; eles escreveram: “ Amor, hoje vos digo ter te esquecido, amanhã,e depois de amanhã e assim por diante sustentarei isto, por isso me perdoe antecipadamente. Perdoo. Amor, a partir de agora direi não mais te amar, que já te esqueci e que fostes apenas uma distração, mas quero que tu saibas, vou te amar pela eternidade, nunca te esquecerei, e és a minha vida e por sustentar está mentira, peço que me perdoe. Perdoo. “ Escrevendo estas exatas palavras, pensaram que no futuro alguém as descobri-se, e assim todos ficariam sabendo a verdade; mas mesmo que ninguém as lê-se (as linhas escritas com lágrimas de sangue), neles ainda vivia a esperança de um dia voltarem a se encontrar, e mais ninguém iria impedir de serem felizes juntos.
Até agora ninguém descobriu os escritos de suas lágrimas de sangue, eles vivem infelizes, sustentam mentiras, vivem e dizem amar outras pessoas, mas no fundo de suas almas tristes e agora escuras ainda amam um ao outro, e para que todos sejam felizes, eles escondem a sua infelicidade.
Como eu já havia dito no início, uma história que tinha tudo para ter um final feliz, tem um trágico desenlace, mas como eu também já havia mencionado, até onde sei o final é triste, mas uma coisa posso garantir, eles ainda se amam e procuram o final feliz de suas vidas, agora um segredo a muito escondido, depois da separação eles ainda tiveram momentos felizes juntos, mas sem ninguém saber (também) até agora.
Disse que explicaria tudo, mas então o espertinho que leu até aqui deve estar se perguntando, como escrevi o que ninguém leu ou descobriu os escritos? Como que ainda tiveram momentos felizes juntos depois da separação, se era um segredo que somente os dois tinham? E ainda como sei que vivem na mentira e são tristes e infelizes? Se os que não estavam se perguntando, tenho certeza que agora estão!
E como sei tudo isso é a resposta para todas as perguntas que até agora surgiram, podem até parecer incaláveis e parecem ser sem explicação, tenho uma resposta para todas, ela é...
Eu sou a princesinha da historia...
Agora creio que todos estão com seus corações calados e surpreendidos, mas se estiverem com a última pergunta na ponta da língua, se essa é mais uma historinha inventada, sinto informar mas NÃO É.
Essa é minha realidade escondida de todos, até este momento, e concluo dizendo, a esperança ainda não morreu em nossos corações e em nossas almas de tristes.

Dienifer Bitencourt
http://dieniferbitencourt.blogspot.com
dienifer_morzinho@hotmail.com
Santiago, RS



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

ATENÇÃO: A Casa do Poeta de Santiago não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos ou pelas idéias expressadas por estes. Os artigos publicados neste espaço são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as idéias pessoais dos mesmos.

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Mesmo que você não fique

0 comentários
- Às vezes eu olho para as marcas que tenho e penso "porra, que merda eu fiz...", porque é como se eu já tivesse vindo para ti cheia de costumar malfeitas... mas, por outro lado, eu não me arrependo porque sei que não deixei nada de mim para trás e que só estou aqui porque estou mesmo inteira para você e por você, também. Eu poderia até estar escrevendo isso, mas sei que ia perder tudo, mesmo, então... então, se você continuar ao meu lado, eu com certeza vou continuar sempre ao teu, também. Aliás, mesmo que você não fique, eu sempre vou carregar comigo alguma coisa de ti. Mesmo que seja apenas a lembrança. Porque a grande diferença é que todas as marcas que você já deixou e que ainda deixa em mim todos os dias não foram feitas apenas por mim mesma. E eu vi você... eu toquei você. Eu não criei isso. E... acho que às vezes eu fico um pouco quieta, ou estranha... mas porque é como se eu pudesse olhar para tudo isso por um outro ângulo, como que avaliando por fora a partir de tudo o que eu sei... E quando olho para mim mesma dessa maneira, eu vejo o quanto gosto de ti, de tantas maneiras diferentes. E, quando olho para ti, quando me lembro de qualquer coisa relacionada ao que já dissemos ou fizemos, eu tenho certeza de que só tenho uma vida e que não vou ter outra. Não vou nascer outra vez, sem marca nenhuma. E essa única vida que tenho, eu quero passar contigo. Pelo máximo de tempo que eu puder ter. Eu achava que sabia muita coisa, mas agora sei muito mais. Coisas que eu nunca aprenderia sem você.

Luciana Nogueira
http://anjoshistericos.blogspot.com
hysteric.angel@hotmail.com
Santos, SP



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

ATENÇÃO: A Casa do Poeta de Santiago não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos ou pelas idéias expressadas por estes. Os artigos publicados neste espaço são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as idéias pessoais dos mesmos.

Palavras e Ondas (25 de fevereiro)

0 comentários
Sintonize 87,9, rádio Central FM, a partir das 14h.

Você poderá ouvir o programa pela internet, clicando AQUI.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Dia Mundial do Pensamento

0 comentários
A idéia de estabelecer um dia especial a cada ano em que Bandeirantes do mundo inteiro pensam uns nos outros , surgiu na 4ª Conferência Mundial, celebrada em 1926 nos Estados Unidos.
A data escolhida foi o dia 22 de Fevereiro, dia do nascimento tanto do Fundador Lord Baden-Powell como da Chefe Bandeirante Mundial, Olave, Lady Baden-Powell.

Anos mais tarde, em 1932, na 7ª Conferência Mundial celebrada na Polônia, uma delegada belga sugeriu que, como os aniversários geralmente estão associados a presentes, que no dia do Pensamento, como forma de apreço e amizade, os Bandeirantes oferecessem uma contribuição monetária voluntária além de seus pensamentos. Foi assim que surgiu o Fundo do Dia do Pensamento.

A sugestão foi assimilada rapidamente e o Fundo do Dia do Pensamento foi estabelecido para promover o Bandeirantismo aonde a necessidade fosse maior.

Em 1933, arrecadou-se para o fundo £520, 12s, 6d. A sugestão de um penny - "um penny por seus pensamentos" - ou equivalente, é simbólico hoje em dia.

Como era usado o Dia do Pensamento quando estava ainda na infância?

Em 1941, as contribuições do Dia do Pensamento serviram para ajudar os países que sofreram com os efeitos da Segunda Guerra Mundial. O dinheiro recebido para o Fundo em 1943 incluiu doações de Cuba e México, a primeira vez que o Fundo recebeu doações da América Latina.

Ao escrever no "The Council Fire" daquele ano, a Diretora do World Bureau disse "O Dia do Pensamento é uma realidade incontestável em nosso Movimento Mundial. Até mesmo agora, no meio de uma guerra mundial quando em todas as partes do mundo cada cidadão precisa de dinheiro e atenção, os Bandeirantes já enviaram mais de £130 para o Dia do Pensamento Mundial deste ano e ainda está chegando mais." Em 1945 foi lançado um Fundo Especial do Dia do Pensamento, a "Contribuição da Mão Caridosa" foi lançada para ajudar os Bandeirantes nos países devastados com a guerra a restabelecerem o movimento. O objetivo era arrecadar £ 2.000 antes do final do ano e, por meados de Setembro 1945 ¾ desta quantia já havia sido arrecadado.

A "Contribuição da Mão Caridosa", ficou aberta até o final de 1946. Houve uma grande reposta a esta solicitação, o dinheiro era arrecadado de diversas maneiras: uma Companhia Bandeirante vendeu flores enquanto que a outra preparou um baile de dança Escocesa.

Com as doações recebidas, vieram sugestões e pedidos de como o Fundo seria utilizado. Um grupo de Cirandas pediu que sua doação de 1 shilling e sete pence (aproximadamente 8 pence da Libra esterlina de hoje, equivalente a US$ 2,6) fosse dividida em 1 d. para Islândia, 1d. Hungria, 1d. Grécia, 2d. para Holanda, 2d. Bélgica, 3d. Polônia, 4d. França e 5d. para Noruega.

Em 1957 - o Centenário do Nascimento do Fundador, Lord Baden-Powell - A Associação Mundial produziu um disco de gramofone gravado nos estúdios da EMI em Londres. Entre os elementos que foram gravados estão a Canção Mundial, o Jogo do bastão Maori, uma canção de ninar Zulu e uma mensagem para o Dia do Pensamento da Chefe Bandeirante Mundial.

Uma canção para o Dia do Pensamento foi composta em 1975 por Sue Stevens do Reino Unido. Em Julho 1999 na 30ª Conferência Mundial, o novo nome de Dia Mundial do Pensamento foi adotado, enfatizando o aspecto mundial do Dia do Pensamento.

Para finalizar, existe um evento que acontece a cada ano em Londres para marcar os aniversários de Lord e Lady Baden-Powell. No Sábado próximo ao Dia do Pensamento, realiza-se um evento especial na Abadia de Westminister como comemoração do Dia do Pensamento e do nascimento do fundador. Entre as girlandas de flores que estão sobre o Memorial do Fundador, existe uma em favor da WAGGGS feita de flores azuis e douradas formando o Broche Mundial.

Embora já existisse uma pedra dedicada a Lorde Baden-Powell na Abadia desde 1941, em 1981m uma pedra memorial foi dedicada para Lord e Lady Baden-Powell, a primeira pedra memorial dupla da Abadia. A medida que celebramos o Dia do Pensamento talvez devamos também nos lembrar daquela delegada anônima da Bélgica cuja sugestão de 68 anos atrás, de dar "um penny por seus pensamentos" favoreceu a expansão do trabalho da WAGGGS ao redor do mundo.

Fonte: http://www.sinomar.com.br/datas.asp

Dez coisas inusitadas que eu gostaria de fazer I

0 comentários
Vi um foguete sendo lançado no filme “O estranho caso de Benjamin Button” e pensei comigo “Taí uma coisa que eu gostaria de fazer em vida: ver o lançamento de um foguete ao vivo e a cores”. E desencadeei uma série de associações que me fizeram voltar ao filme “Antes de partir”, com os magníficos Jack Nicholson (Edward Cole) e Morgan Freeman (Carter Chambers). Neste último filme, Edward e Carter estão em fase terminal e seguem uma lista de desejos a serem realizados antes de morrerem, se desse tempo. Saem do hospital a contragosto de todos e viajam pelo mundo fazendo coisas que nunca haviam tido coragem ou até mesmo porque lhes faltava tempo. Para eles, o tempo já não importava mais.

Diferente de todos que se encantaram com a história da criança que nasce velha e rejuvenesce com o passar dos anos, o que mais me chamou a atenção foi o lançamento do dito foguete. Fiz, então, uma relação de 10 coisas inusitadas que eu gostaria de fazer. Primeiro, foi difícil passar do número um, que por sinal já tinha sido feito: o foguete. Aos poucos, empolguei-me com essa ideia e cheguei a treze itens. E suei a caneta para diminuí-los.

Vou falar, primeiramente, sobre quatro itens. Numa próxima oportunidade relato os outros seis e fecho os dez.

O primeiro desejo, que não é novidade, é ver o lançamento de um foguete. Fazendo um paralelismo de ideias, o personagem do Antes de partir tinha um desejo de “vislumbrar algo grandioso”. Para ele, isso significava ver as montanhas do Himalaia. Para mim, ver a estrondosa quantia de energia gasta para pôr em movimento uma aeronave de incontáveis toneladas e o tamanho que deve ser aquilo é, sim, vislumbrar uma coisa grandiosa.

O segundo desejo seria dirigir um carro de Fórmula 1. Não sei por que, mas não é o desejo de um Fórmula Indy ou um carro da Stock Car, e sim da Fórmula 1. Talvez seja porque a Globo está no meio, faz muita propaganda, é a corrida que ela transmite nos domingos desde antes mesmo eu nascer. Até porque não gosto muito de carro, está mais para souvenir. Não me chama a atenção. É bom pra andar, traz conforto, protege na chuva e no frio, mas em contrapartida dá muito gasto em manutenção e combustível. O IPVA é caro, do seguro obrigatório também não tem como fugir, os pneus de tempo em tempo precisam ser comprados novos e o óleo a cada oito mil quilômetros, no meu caso, precisa ser trocado. Acho que o desejo de dirigir um Fórmula 1 resume-se a apenas uma corrida, ou talvez uma volta em Interlagos com todo aquele povo gritando e torcendo por mim como se eu fosse o Vettel.

O terceiro item é rir até perder as forças ou mesmo desmaiar. E esse talvez seja o desejo mais feliz dentre todos os meus. Porque rir faz bem para o corpo, é bom para a estima. Há, inclusive, estudos sobre o assunto. Desde pequeno sei que é melhor rir do que chorar, porque chorar te faz movimentar menos músculos que rir. Já é um argumento, ou como diz o ditado, rir é o melhor remédio. Recordo-me que na época de colégio fiz aulas de teatro e logo no começo a professora começou a rir e disse que em breve todos iriam estar rindo, mostrando-nos que ele é contagioso. Dito e feito: primeiro um, depois mais dois, em pouco tempo todos riam à la loca. Ri de me atirar no chão e simplesmente não havia motivo algum. Nem piada, nem acontecimento engraçado, nada mesmo. Apenas o motivo de ver outra pessoa rindo e dar vontade também de rir. Pus esse item porque sempre é bom estar alegre e mesmo que não desmaie de tanto rir, ter isso como objetivo já me fará perseguir essa meta, ou seja, já me fará dar boas gargalhadas.

A quarta coisa inusitada que eu gostaria de fazer é saltar de paraquedas e bungee jump. Dentre todos os itens assinalados, o anterior e esse talvez sejam os mais acessíveis. Mas saltar possivelmente não ocorra porque como diz o ditado o medo não é como a coragem. Já fiz rapel de rochedo, de um morro de cem metros, de um prédio em construção, mas saltar para o vazio é um tanto diferente. Tenho certeza que depois de feito o salto, aterrado e com a adrenalina ainda no corpo, vou vibrar e até pensar em fazer de novo. Mas o problema mora em subir no avião, vestir o paraquedas e efetivamente saltar, vendo tudo lá embaixo minúsculo. Saltar de bungee jump deve ser uma adrenalina ainda maior, porque você não sente nada preso nas costas, apenas um material te enganchando na perna. Aí vem o salto, o esticar do elástico e o ricochete. Mesma coisa: depois de feito, a sensação de segurança aliada ao mar de adrenalina deve ser maravilhosa. Quero bis! Mas haja coragem para dar o primeiro passo...

Essas quatro são as primeiras das dez coisas inusitadas que gostaria de fazer. E quais são as suas 10 coisas inusitadas que gostaria de fazer? Se preferir, não precisa ser inusitada. Se quiser não precisa ter compromisso em fazê-las. Eu mesmo não tenho esperança em realizar a maior parte. Até porque muitas das dez são impossíveis. Mas isso não me impede de imaginar e sonhar, conscientemente, em fazer dez coisas fora da casinha que eu acharia interessante. Sendo assim, puxe um bloquinho de papel, um lápis e anote...

Giovani Roehrs Gelati
http://giovanigelati.blogspot.com
grgletras@gmail.com
Uruguaiana, RS





Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.


ATENÇÃO: A Casa do Poeta de Santiago não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos ou pelas idéias expressadas por estes. Os artigos publicados neste espaço são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as idéias pessoais dos mesmos.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Vire seu rosto...

0 comentários
Vire seu rosto para o sol e as sombras cairão atrás de você.

Provérbio Maori

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Cavalos Selvagens

0 comentários
A ideia é simples, essa que fala dos cavalos selvagens.
Cavalos selvagens são nossas emoções, que explodem, em qualquer momento, em qualquer lugar, porque fazem parte de nós, mas são incontroláveis. Muitas vezes as escondemos, mas elas permanecem ali, dentro, ainda que caladas.
Nós sabemos que elas mudam, mas que sempre estão ali, TODAS ELAS. E que basta um passo para despertá-las, e elas correm e se formam lágrimas, sorrisos, beijos, gritos, tremedeiras, desejos, fascínios.
Todos os sentimentos são cavalos selvagens, que correm, lindos, livres. Nos fogem do controle às vezes, nos transformam em completos idiotas na frente dos outros, porque não podemos deixar que vejam nossos olhos úmidos. Não. Seria um erro, nos perguntariam o porquê. E nós não responderíamos, nos repreenderíamos, ficaríamos mudos.
Novamente viria a vergonha de mostrar nossa alma, desnudar-se, por inteiro. Ficar nu na frente de alguém não é fácil. Requer tempo, confiança, segurança, intimidade. E por que não? Por que não deixar os cavalos simplesmente cavalgarem? Livres como devem ser, pois são selvagens. E apesar de serem selvagens, são lindos, antes de serem selvagens, são extremamente lindos. E por serem lindos, por que não mostrar-los?

Camilla Cruz
http://fazparte-domeushow.blogspot.com/
camillcruz@gmail.com
Santiago, RS



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

ATENÇÃO: A Casa do Poeta de Santiago não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos ou pelas idéias expressadas por estes. Os artigos publicados neste espaço são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as idéias pessoais dos mesmos.

Dia do Repórter

0 comentários
Ele fareja a informação, sempre em busca de uma boa reportagem. Para a tarefa, não mede esforços. Com a pauta na mão, entrevista as fontes, pesquisa os dados e checa tudo o que pode servir na hora de redigir a matéria. No início de carreira, ele é chamado de foca que significa profissional inexperiente no cargo, novato, recém-saído da faculdade. Aquele que se deslumbra com as primeiras tarefas que recebe; que deixa passar detalhes importantes. Com o tempo ele vai largando aos pouquinhos a vida de foca para se aventurar na profissão com as próprias pernas.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Lutar

0 comentários
É cada vez mais bonito amar e ter alguém para amar. Principalmente quando se é correspondido. Principalmente quando seu coração não estava desejando um amor para se encantar. No começo, algumas coisas não parecem importar, porque não fazem sentido. Mas de repente tudo vira do avesso. E é de repente mesmo. As coisas começam a se encaixar, parecendo que estão fazendo sentido, quando na realidade o que realmente fazem é confundir cada vez mais nossos instintos relacionados ao coração. Começamos a perder o controle, largar a direção do carro e deixar que ele se vá por conta própria. Quando vemos, batemos nas árvores, nos machucamos um pouco, mas continuamos, na maioria das vezes. Sabemos que o carro é forte e aguenta o tranco, pois já passou por várias outras batidas e nunca acontecera nada - isso basta, é o que repetimos constantemente ao nosso pessimismo. Com um pouco mais de atenção do que o normal, com uma mão no volante, esboçamos as curvas dessa estrada, com os olhos bem abertos, com receio de que ele bata de novo. Não por bater, sim por machucar. A dor nos provoca sensações ridículas. Nos sentimentos aptos a desistir do amor, das estradas, do futuro, das expectativas, de tudo. O temporal, algumas vezes, parece não querer passar. Mas passa. E quando passa, vemos o quão valeu a pena lutar.

Fernanda Fávero Alberti
http://poeta-de-privada.blogspot.com
fernanda.lbrt@gmail.com
Santiago, RS



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

ATENÇÃO: A Casa do Poeta de Santiago não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos ou pelas idéias expressadas por estes. Os artigos publicados neste espaço são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as idéias pessoais dos mesmos.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Versos a um poeta pernóstico

0 comentários
* Poema classificado em 3º Lugar no concurso de poemas nos ônibus, de Santo Ângelo.

É chato ler um poeta,
Que gosta do que escreveu.
E quer ganhar o troféu,
Mesmo se o céu não é seu.

Recita, delira e escreve,
Como Nero frente ao fogo.
E em qualquer área se atreve,
Sem ter as regras do jogo.

A própria História condena,
Esta ufana criatura,
Que no verso não convence.

Pois, na trilogia do poema:
O autor, a obra e a leitura,
É a cultura que vence.

Clodinei Silveira Machado
silveiraselva@ibest.com.br
Santo Ângelo, RS



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

ATENÇÃO: A Casa do Poeta de Santiago não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos ou pelas idéias expressadas por estes. Os artigos publicados neste espaço são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as idéias pessoais dos mesmos.

Dia Internacional do Amor

0 comentários
O Dia dos Namorados aqui no Brasil é comemorado dia 12 de junho, mas em vários países é comemorado hoje. E não é só para namorados... hoje é dia de abraçar um amigo, mandar uma mensagem de carinho para um familiar... aproveite.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Dia da Criação do IBGE

0 comentários
IBGE é a sigla de Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, e tem como função a produção de um conjunto básico de estatísticas e informações sociais, demográficas, econômicas e geográficas primárias, e a coordenação do sistema estatístico e cartográfico nacional.

Tenho em mim...

0 comentários
Tenho em mim todos os sonhos do mundo.

Fernando Pessoa

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Palavras e Ondas (11 de fevereiro)

0 comentários
Sintonize 87,9, rádio Central FM, a partir das 14h.

Você poderá ouvir o programa pela internet, clicando AQUI.

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Convite Carnaval Popular de Santiago

0 comentários
Clique na imagem para vê-la ampliada.

Não peça-me a lua

0 comentários
Não venha pedi-me a lua
Pois ela é ta minha quanto sua
Não venha pedi-me as estrelas
Pois estão tão longe, mal posso vê-las

Peça-me amor
Quem sabe uma flor
Tão belas são as cousas corriqueiras,
Peça-me algo tangível, não me peça asneira

Peça-me algo tangível
Ou um sentimento invisível
Te darei de qualquer maneira

Peça-me algo belo
Um sentimento sincero
Mas não peça asneira

Mário Fernando Oliveira Silva
http://moinhosdeventtos.blogspot.com
mario-desenhista@hotmail.com



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.


ATENÇÃO: A Casa do Poeta de Santiago não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos ou pelas idéias expressadas por estes. Os artigos publicados neste espaço são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as idéias pessoais dos mesmos.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...