quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Dez coisas inusitadas que eu gostaria de fazer I

Vi um foguete sendo lançado no filme “O estranho caso de Benjamin Button” e pensei comigo “Taí uma coisa que eu gostaria de fazer em vida: ver o lançamento de um foguete ao vivo e a cores”. E desencadeei uma série de associações que me fizeram voltar ao filme “Antes de partir”, com os magníficos Jack Nicholson (Edward Cole) e Morgan Freeman (Carter Chambers). Neste último filme, Edward e Carter estão em fase terminal e seguem uma lista de desejos a serem realizados antes de morrerem, se desse tempo. Saem do hospital a contragosto de todos e viajam pelo mundo fazendo coisas que nunca haviam tido coragem ou até mesmo porque lhes faltava tempo. Para eles, o tempo já não importava mais.

Diferente de todos que se encantaram com a história da criança que nasce velha e rejuvenesce com o passar dos anos, o que mais me chamou a atenção foi o lançamento do dito foguete. Fiz, então, uma relação de 10 coisas inusitadas que eu gostaria de fazer. Primeiro, foi difícil passar do número um, que por sinal já tinha sido feito: o foguete. Aos poucos, empolguei-me com essa ideia e cheguei a treze itens. E suei a caneta para diminuí-los.

Vou falar, primeiramente, sobre quatro itens. Numa próxima oportunidade relato os outros seis e fecho os dez.

O primeiro desejo, que não é novidade, é ver o lançamento de um foguete. Fazendo um paralelismo de ideias, o personagem do Antes de partir tinha um desejo de “vislumbrar algo grandioso”. Para ele, isso significava ver as montanhas do Himalaia. Para mim, ver a estrondosa quantia de energia gasta para pôr em movimento uma aeronave de incontáveis toneladas e o tamanho que deve ser aquilo é, sim, vislumbrar uma coisa grandiosa.

O segundo desejo seria dirigir um carro de Fórmula 1. Não sei por que, mas não é o desejo de um Fórmula Indy ou um carro da Stock Car, e sim da Fórmula 1. Talvez seja porque a Globo está no meio, faz muita propaganda, é a corrida que ela transmite nos domingos desde antes mesmo eu nascer. Até porque não gosto muito de carro, está mais para souvenir. Não me chama a atenção. É bom pra andar, traz conforto, protege na chuva e no frio, mas em contrapartida dá muito gasto em manutenção e combustível. O IPVA é caro, do seguro obrigatório também não tem como fugir, os pneus de tempo em tempo precisam ser comprados novos e o óleo a cada oito mil quilômetros, no meu caso, precisa ser trocado. Acho que o desejo de dirigir um Fórmula 1 resume-se a apenas uma corrida, ou talvez uma volta em Interlagos com todo aquele povo gritando e torcendo por mim como se eu fosse o Vettel.

O terceiro item é rir até perder as forças ou mesmo desmaiar. E esse talvez seja o desejo mais feliz dentre todos os meus. Porque rir faz bem para o corpo, é bom para a estima. Há, inclusive, estudos sobre o assunto. Desde pequeno sei que é melhor rir do que chorar, porque chorar te faz movimentar menos músculos que rir. Já é um argumento, ou como diz o ditado, rir é o melhor remédio. Recordo-me que na época de colégio fiz aulas de teatro e logo no começo a professora começou a rir e disse que em breve todos iriam estar rindo, mostrando-nos que ele é contagioso. Dito e feito: primeiro um, depois mais dois, em pouco tempo todos riam à la loca. Ri de me atirar no chão e simplesmente não havia motivo algum. Nem piada, nem acontecimento engraçado, nada mesmo. Apenas o motivo de ver outra pessoa rindo e dar vontade também de rir. Pus esse item porque sempre é bom estar alegre e mesmo que não desmaie de tanto rir, ter isso como objetivo já me fará perseguir essa meta, ou seja, já me fará dar boas gargalhadas.

A quarta coisa inusitada que eu gostaria de fazer é saltar de paraquedas e bungee jump. Dentre todos os itens assinalados, o anterior e esse talvez sejam os mais acessíveis. Mas saltar possivelmente não ocorra porque como diz o ditado o medo não é como a coragem. Já fiz rapel de rochedo, de um morro de cem metros, de um prédio em construção, mas saltar para o vazio é um tanto diferente. Tenho certeza que depois de feito o salto, aterrado e com a adrenalina ainda no corpo, vou vibrar e até pensar em fazer de novo. Mas o problema mora em subir no avião, vestir o paraquedas e efetivamente saltar, vendo tudo lá embaixo minúsculo. Saltar de bungee jump deve ser uma adrenalina ainda maior, porque você não sente nada preso nas costas, apenas um material te enganchando na perna. Aí vem o salto, o esticar do elástico e o ricochete. Mesma coisa: depois de feito, a sensação de segurança aliada ao mar de adrenalina deve ser maravilhosa. Quero bis! Mas haja coragem para dar o primeiro passo...

Essas quatro são as primeiras das dez coisas inusitadas que gostaria de fazer. E quais são as suas 10 coisas inusitadas que gostaria de fazer? Se preferir, não precisa ser inusitada. Se quiser não precisa ter compromisso em fazê-las. Eu mesmo não tenho esperança em realizar a maior parte. Até porque muitas das dez são impossíveis. Mas isso não me impede de imaginar e sonhar, conscientemente, em fazer dez coisas fora da casinha que eu acharia interessante. Sendo assim, puxe um bloquinho de papel, um lápis e anote...

Giovani Roehrs Gelati
http://giovanigelati.blogspot.com
grgletras@gmail.com
Uruguaiana, RS





Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.


ATENÇÃO: A Casa do Poeta de Santiago não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos ou pelas idéias expressadas por estes. Os artigos publicados neste espaço são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as idéias pessoais dos mesmos.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...