sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

domingo, 30 de novembro de 2014

Identificação

0 comentários
O Poeta não pode apenas
cantar a primavera
quando o inverno social
castiga seu povo
***
Não tenho, pois, as
pretensões acadêmicas
artificiais
com seu lirismo de salão e seus manuais
bolorentos,
bem comportados
que somente privilegiam
o ego(ista).
Minha poesia será feita
com os pés no chão,
identificada com 'o homem',
com 'a terra',
com o social(ista).

Quem sabe não serei apenas
o poeta dos maltratados
dos indigentes
dos exilados
sociais...

O 'ecológico poeta'
dos córregos
e dos rios
assassinados
das matas
destruídas
pelo 'progresso'
reacionário.

- o poeta da fome
- o poeta solidário
- o poeta do sonho
e da liberdade.
...
O Poeta não pode apenas
cantar a primavera
(quando o inverno social
castiga seu povo).


Julio Garcia
Santiago, RS
E-mail: juliogarcia.adv@outlook.com
Blogs: http://arquipelago.blogspot.com.br/
http://jcsgarcia.blogspot.com.br/
http://o-boqueirao.blogspot.com.br/
http://deputadojuliogarciapt.blogspot.com.br/



* Para divulgar seus textos no blog da Casa do Poeta de Santiago, clique aqui. *




ATENÇÃO: A Casa do Poeta de Santiago não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos ou pelas ideias expressadas por estes. Os artigos publicados neste espaço são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as idéias pessoais dos mesmos.

sábado, 29 de novembro de 2014

Sobre a tranquilidade, do eu interior

0 comentários
A paixão que me envolve, submete-me subtilmente
Suave, docemente,
Ardente, coerente
Remetente, avante ao inconsciente
Consequentemente, inevitavelmente
Sofrer, presente
No teu riso, minha sinfonia
No teu olhar, forte
A morte
No teu beijo, vida
Infinda, refletida a longitude do espaço
No teu abraço, me desfaço
Esqueço o cansaço
Enlaço, permaneço
Adormeço
Esqueço, de esquecer-te
Lembro, de lembrar-te
Como melhor lembrança, como aquela dança
Como quem não se cansa, e se lança
No abismo, sem medo
No desejo da loucura
Na cura da solidão


Jeferson Silva
jefersonsilvaaa@hotmail.com
Santiago - RS




* Quer divulgar seus textos no blog da Casa do Poeta de Santiago? Clique aqui. *



ATENÇÃO: A Casa do Poeta de Santiago não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos ou pelas ideias expressadas por estes. Os artigos publicados neste espaço são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as ideias pessoais dos mesmos.

Lançamento do livro Anjo Sem Asa de Jason Fontella

0 comentários

As araras apaixonadas

0 comentários
Era uma vez duas araras que se odiavam muito, implicavam uma com a outra a toda a hora, mas os filhos delas, Fabiana e Rogério, estavam apaixonados. Cada dia que suas mães saíam para buscar alimentos, os filhos brincavam muito. Quando elas voltavam, os apaixonados fingiam que brigavam.
Quando cresceram, namoraram. A mãe de um deles descobriu e disse:
__Filho, você está de castigo por namorar essa arara! Vamos nos mudar de ninho e nunca mais ver ela!
__Mas, mãe, eu amo ela! Por favor, me deixa ficar com ela, ela é a minha paixão!
__Não e ponto final!
Fabiana, que estava por perto, disse:
__Por favor, deixa eu ficar com seu filho!
__Eu disse não!!!
Fabiana falou, então:
__Tchau, Rogério!
__Tchau, Fabiana... espere! Pite o seu bico para eu saber que você é você. Eu também vou pintar o meu.
As araras cresceram e tentavam se encontrar. Cada um inventava uma desculpa para a mãe para poder procurar o outro. Passaram anos tentando, sem conseguir.
Um dia Rogério voou muito alto e veio um vento muito forte, ele não conseguiu voar de medo e caiu quebrando uma das asas. Desesperado, chorou sem parar. Ele não conseguia viver sem Fabiana... Colocou uma madeira pequena em seu braço e atou tentando voar. Pulou da árvore e fechou os olhos. Conseguiu voar e quando se deu conta, estava nas nuvens.
Ele disse com muita alegria:
__Obrigado, Deus, por me fazer voar. Preciso que me ajude a encontrar Fabiana. Não tiro ela da minha cabeça, me apaixonei desde pequeno...
Um dia Rogério e Fabiana estavam voando, se cruzaram e voltaram a namorar. Tiveram lindos filhos e suas mães terminaram com a rivalidade. E as duas araras apaixonadas viveram felizes para sempre.



João Vitor Ramires
Uruguaiana, RS


* Para divulgar seus textos no blog da Casa do Poeta de Santiago, clique aqui. *




ATENÇÃO: A Casa do Poeta de Santiago não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos ou pelas ideias expressadas por estes. Os artigos publicados neste espaço são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as idéias pessoais dos mesmos.

Comissão da Verdade

0 comentários


Os tempos sombrios deixaram
fatídica herança
& lembranças tétricas recheadas
de dor/raiva/indignação

O arbítrio - a prepotência - a covardia

(oficializadas)

A longa & vergonhosa noite
(atordoante)

a democracia

(ultrajada)

Dor/pranto/lamento

-o horizonte cinzento

A resistência heroica
a 'guerra' desigual
travada

(O pesadelo incessante)
...

-Passar a limpo!

-as prisões/os crimes perpetrados
os choques elétricos/afogamentos/pau-de-arara/cadeira do dragão
as 'mãos amarradas' - os assassinatos

(a tortura)

sonhos abortados
gerações amordaçadas/exiladas

(a censura)

vidas/famílias destroçadas

(a Pátria enxovalhada...)
...

Muito tempo depois
das trevas
(finalmente)
brota a luz...

(tenuamente)
...

Ditadura:
urge
passar - tudo - a limpo:

           'para que não se esqueça
                    para que nunca mais aconteça'



Julio Garcia
Santiago, RS
E-mail: juliogarcia.adv@outlook.com
Blogs: http://arquipelago.blogspot.com.br/
http://jcsgarcia.blogspot.com.br/
http://o-boqueirao.blogspot.com.br/
http://deputadojuliogarciapt.blogspot.com.br/



* Para divulgar seus textos no blog da Casa do Poeta de Santiago, clique aqui. *




ATENÇÃO: A Casa do Poeta de Santiago não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos ou pelas ideias expressadas por estes. Os artigos publicados neste espaço são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as idéias pessoais dos mesmos.

Eu e Você

0 comentários
Eu tenho as palavras certas,
Mas você que é a inspiração.

Eu tenho o conhecimento,
Mas você que tem a luz.

Eu caminho na tua direção,
E você esta presente em tudo.

Eu mostro a verdade,
Você me aperfeiçoa.

Eu busco,
Você entende.

Eu faço o belo,
Você faz tudo divino.

Eu tenho os mistérios,
Você o Evangelho.

Eu tenho o Amor,
Você tem Deus.

Mas...

Nem eu e nem você vivemos
Sem o nós!
Apenas existimos.



Deise Marchezan
deisepintom@hotmail.com
Santiago, RS



* Para divulgar seus textos no blog da Casa do Poeta de Santiago, clique aqui. *




ATENÇÃO: A Casa do Poeta de Santiago não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos ou pelas ideias expressadas por estes. Os artigos publicados neste espaço são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as idéias pessoais dos mesmos.

sábado, 26 de julho de 2014

Escolhido o Patrono da 16ª Feira do Livro de Santiago

0 comentários

O escritor santiaguense Breno Camargo Serafini foi escolhido patrono da 16ª Feira do Livro de Santiago, em reunião entre os escritores santiaguenses que aconteceu no final da tarde desta sexta-feira. Breno é autor dos livros Millôres Dias Virão, Geração Pixel e Mosaico Laico. Também foi escolhido o slogan da feira, que este ano será "Ler é bom - em qualquer estação".

A 16ª Feira do Livro de Santiago acontecerá de 6 a 9 de novembro, no largo da Estação do Conhecimento.

domingo, 13 de julho de 2014

Eu não sei dizer: Eu te amo

0 comentários
Acho que no fundo toda mulher é apenas uma menina insegura. Está sempre à procura de alguém que lhe faça sentir melhor, de alguém que lhe diga palavras bonitas que a conforte, de alguém que lhe faça feliz.
A realidade é que toda mulher precisa manter seu coração sempre ocupado, precisa de alguém para ao menos dizer que ‘gosta’. Porque amar, amor são palavras que significam muito para se dizer a todo instante –isso a meu ver- ainda mais para pessoas erradas. E na vida não há quem diga que nunca errou. Seja numa compra, numa prova, numa escolha, num amor. Erros que levam a decepção. E para uma mulher uma decepção pode não matar fisicamente, mas causa um grande estrago.

Acho que por isso sempre fui cautelosa. Comprimindo meus sentimentos e me escondendo dos olhares alheios. Talvez isso tenha sido ruim por um lado, bom pelo outro. (Vejam a constante indecisão que uma mulher passa!) E de tanto esconder o que sentia, acabei escondendo de mim mesma o bom da vida que é amar.

O coração da gente vez por outra acha um fio pra se enlear, mas geralmente em vez de formar um laço, forma um nó. E como ele confunde nossos pensamentos!

Mas voltando a parte que diz que ‘no fundo toda mulher é uma menina insegura’...

Somos muitas vezes exemplos de coragem, de luta, de sabedoria, de amor. Mas quem de nós nunca disse eu te amo pra pessoa errada? Talvez não bem nessas palavras, mas sempre houve vezes (isso eu garanto) que por mais relutante que você tenha sido, acabou se apegando a alguém. Talvez tenha jurado não se apaixonar por alguém de certo tipo, mas é aí que o coração se faz de bobo e se joga, não ligando para os danos, para os contras. Só pensando em ir fundo.

Mas o ruim mesmo é quando você acha alguém que jamais imaginou que pudesse gostar e acaba gostando. Só que por não saber usar as palavras, acaba decepcionando-as. Não é vergonha, é medo. Medo de perdê-las, de usar as palavras no tempo errado, de não estar pronta para dizê-las. Medo de amar, medo de dizer ‘eu te amo’.



Rafaela de Vargas Damian
fafadamian@yahoo.com.br
Santiago, RS






* Para divulgar seus textos no blog da Casa do Poeta de Santiago, clique aqui. *


ATENÇÃO: A Casa do Poeta de Santiago não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos ou pelas ideias expressadas por estes. Os artigos publicados neste espaço são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as ideias pessoais dos mesmos.

sábado, 15 de março de 2014

Depois de um tempo

0 comentários
Depois de um tempo, tanto fez, tanto faz. O coração já não saltita, nem pula, nem bate loucamente. Bate apenas o suficiente para viver. A memória frágil, já não guarda lembranças, nem magoas, nem rancores. E, depois de um tempo, tanto fez, tanto faz. No pensamento, apenas resquícios do que fora um dia e já não é mais. E, você percebe que não precisou mudar, nem se reinventar, apenas evoluir. Percebe que tudo aquilo já não faz mais sentindo. Que já não sente mais aquele friozinho na barriga, e nem sente as mão suarem e o corpo tremer como um terremoto avassalador. Seu corpo já não ferve e aquele vulcão de outrora adormece. E, depois de um tempo, tanto fez, tanto faz.  Você descobre que amar é bem mais que amar a simples ideia de se estar amando. Aos poucos você vai se afastando de tudo aquilo que trava e se aproxima de tudo aquilo que te faz sonhar. Você descobre que o ódio destrói a alma e que o amor pacifica o coração. E, depois de um tempo, tanto fez, tanto faz.  Você descobre a vida. Você descobre-se viva (o). Descobre que não quer morrer. Que quer viver. E, depois de um tempo, tanto fez, tanto faz. Você quer apenas ser feliz.


Leandro Maciel Cortes
http://leandromacielc.blogspot.com
leandrocortes202@yahoo.com.br
Jaguari, RS




* Para divulgar seus textos no blog da Casa do Poeta de Santiago, clique aqui. *

ATENÇÃO: A Casa do Poeta de Santiago não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos ou pelas ideias expressadas por estes. Os artigos publicados neste espaço são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as ideias pessoais dos mesmos.

segunda-feira, 10 de março de 2014

sexta-feira, 7 de março de 2014

Fotos do lançamento do livro Infinitamente Mulher - vol 3

0 comentários

Clique na imagem acima para conferir as fotos do lançamento do Infinitamente Mulher - vol 3.

O livro está à venda na Livraria Inove, por apenas R$ 12,00.
Rua Bento Gonçalves, 1974, fone 3251-6987.

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Confira as escritoras que farão parte do 3º volume do livro Infinitamente Mulher

0 comentários

Confira a lista com as 46 autoras farão parte do livro Infinitamente Mulher - 3º volume, que será lançado no evento Mulher Nota Mil, no dia 7 de março (sexta-feira), às 19 horas, na Estação do Conhecimento. O evento será ao ar livre e aberto ao público.

• Aldorete Senhorinho Martins
• Andressa Bitencourt
• Angela Maria Genro
• Angélica Erd
• Antonia Nery Vanti
• Arlete Gudolle Lopes
• Arlete Tusi Cossentino
• Begair Pereira
• Bibiana Freitas
• Camila Canterle Jornada
• Camilla Cruz
• Capsaicina
• Catharina Antochevis Pereira
• Clay Fonseca
• Daniela Arce
• Deise Marchezan
• Denise Balhestero
• Djenifer Bencke Silva
• Eduarda Paz
• Enadir Obregon Vielmo
• Erilaine Perez
• Fátima Friedriczewski
• Fernanda Alberti
• Fernanda Fank
• Gabriela Fávero Alberti
• Gabriele Pedroso Pazini
• Iara Marlene Mezetti
• Iliane Michelini Vieira
• Ilma Bernardi
• Indiara Fatima da Silva
• Iolanda Inês Pereira de Oliveira
• Jacqueline Pires
• Lígia Rosso
• Luana Motta Diello
• Luana Teles
• Luiza Ribeiro Stacowski
• MaBi
• Maiara Jantsch
• Mara Flores Pereira
• Marcele Fávero Almeida
• Marli Corrêa dos Santos
• Nara Bachinski
• Nuraciara Xavier
• Rafaela de Vargas Damian
• Sandra Maira dos Santos da Luz
• Simone Della Flora Dalosto

A organização do livro é da Casa do Poeta de Santiago e do Centro Materno Infantil.

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Infinitamente Mulher, 3º volume

0 comentários


Até o dia 22 de fevereiro, as escritoras de Santiago podem enviar textos para participar do 3º volume do livro Infinitamente Mulher, que mostrará o talento das santiaguenses na literatura. O livro reunirá contos, crônicas e poesias produzidas por escritoras veteranas até as mais jovens. O lançamento vai ocorrer no evento Mulher Nota Mil, dia 8 de março deste ano.

A organização do livro é do Centro Materno Infantil e Casa do Poeta de Santiago.

Você quer participar? Então basta encaminhar o seu texto (conto, crônica, poesia, etc) para o e-mail casadopoeta.stgo@gmail.com.

ATENÇÃO: APENAS UM TEXTO POR ESCRITORA. Textos recebidos após o dia 22 de fevereiro não entrarão no livro.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...