segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

29° cafezinho poético

0 comentários
LOCAL: sede da Casa do Poeta de Santiago, rua Silveira Martins, 1432, Santiago, RS (próximo ao Mercado Camelo).
DATA: 05 de fevereiro de 2011, sábado.
HORÁRIO: 20h.

Evento aberto ao público. Participe!

Sou

0 comentários
Rabiscando sentimentos
Ao deslizar pela vida,
Sou lágrima sentida
No desabafar de tormentos.

Sigo os passos da tristeza,
No tempo perdi a alegria,
Navego em marés de incerteza,
Entre o real e a fantasia.

Sou um sonho desfeito,
em labirintos, perdido!
Sou um ser com defeitos

Em busca da perfeição
nesse mundo descolorido
em que só vejo escuridão!

Antonia Nery Vanti (Vyrena)
http://sonhandocomvyrena.eu5.org
vyrena@terra.com.br
Porto Alegre/RS



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

As Mil Cores do seu Prisma

1 comentários
Se eu pudesse bem definir a sua cor,
Pintaria meu rosto com ela
E tentaria me parecer como você
Para que você me deixasse entrar no seu mundo.

Mas eu sei que só seria uma pintura,
Uma máscara, que me tornaria seu semelhante,
Porque minha cor é menos viva que a sua
E o cheiro dela, menos feliz.

Em todo caso, você gostaria de me ter como amigo
E falaria menos sobre mim pelo canto cinza,
E me convidaria para sorrir com você numa terça laranja,
E diria que sou parte de seu coração arco-íris.

Isso me deixaria feliz e eu te diria muito.
Te diria que você me coloriu,
Que minha pele estava fosforescente,
Como que marcada por néon.

Mas hoje você tem poucas cores a me oferecer:
Um sinal vermelho para minha falta de ousadia,
Um humor negro para minha falta de leveza,
Um sorriso amarelo para minha falta de cor.

Descubra-me logo:
Transparente, sem cor, sem pigmentação.
E tente me pintar com sua coloração
Para que eu possa viver como você:
Num prisma de possibilidades!

Ettore Stefani de Medeiros
http://ettorestefani.blogspot.com
Santa Maria, RS



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

ENEM, ProUni e vestibulares pelo Brasil

0 comentários
A busca por uma educação de qualidade perpassa mais acesso a escolas e universidades e à qualidade do ensino. Ao menos em um destes aspectos, estamos caminhando positivamente. Aumentamos, em 2009, o número de cursos de ensino superior. É uma vitória. Mas estudar em uma universidade ainda é privilégio de alguns e um sonho longínquo para a grande maioria.

No site da UOL, deste sábado, 29, a manchete “Número de cursos de graduação cresce 13% em um ano, mostra censo do MEC”, indica o aumento significativo da oferta de cursos de nível superior no Brasil em 2009, com relação a 2008. Tivemos um salto de 24,7 mil para 28,6 mil cursos. Alavancou este crescimento, a educação a distância, com aumento expressivo de 30,4% em relação ao total.

Essa explosão das instituições de educação a distância deve ser muito bem recebida. Porque, com preços mais acessíveis, uma enorme fatia da população brasileira pobre saiu da marginalização do ensino superior. Eram pessoas que não tinham condições de pagar uma universidade presencial, geralmente mais cara, nem cursinho para tentar o ingresso em universidades estaduais e federais. O que ocorria com elas? Não cursavam, nem acreditavam na possibilidade. Eram menores as perspectivas de se ter um futuro melhor.

Além das instituições de ensino não-presencial, o ProUni -Programa Universidade para Todos- também serviu de ferramenta de inclusão social. Este ano de 2011, atingiu assombrosos 1 milhão de inscritos. Foram ofertadas 123 mil vagas e 117,6 mil já foram completadas. Só tem direito à bolsa quem estudou em escola pública e possui renda familiar de até três salários mínimos. Além desse prerrequisito, o estudante necessita realizar o ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) e obter boa nota na prova. É uma iniciativa que surgiu em 2005 e desde então, começou a minimizar a elitização da educação superior.

Mas o problema está longe de ser resolvido. Na mesma reportagem da UOL, o presidente da Abmes (Associação Brasileira de Mantenedoras do Ensino Superior), Gabriel Mario Rodrigues, alertou para a concentração da procura por determinados cursos. Cerca de 90% daqueles que desejam ingressar no ensino superior procuram 20% dos cursos existentes. Consequentemente, algumas relações candidato/vaga beiram a proporção de um candidato por vaga; outros cursos 30, 50 por vaga.

Os vestibulares em instituições públicas são a prova cabal dessa disparidade. Duas das universidades mais conceituadas do Rio Grande do Sul demonstram claramente esta estatística. Para a vaga do curso de medicina, classicamente disputada, a UFRGS -Universidade Federal do Rio Grande do Sul- de Porto Alegre, contabiliza a relação candidato/vaga de 45,32 e a UFSM -Universidade Federal de Santa Maria- no coração do solo gaúcho, densidade absurda de 96,34. Na USP, Universidade de São Paulo, a relação oferta/procura do vestibular 2011 para medicina ficou em 67,7.

Não podemos olhar com indiferença ou acreditarmos que é normal tanta procura e tão poucas vagas. Por mais que a concorrência em outros concursos públicos beire números muito maiores, estamos falando de 11,8 mil candidatos em São Paulo, 5,3mil em Santa Maria e 6,3 mil em Porto Alegre. A realidade dos vestibulares para direito, jornalismo, arquitetura e urbanismo, fisioterapia e odontologia não é menos preocupante.

Fatalmente, conseguirão a vaga aqueles candidatos mais bem preparados. E como se tornam melhor preparados? Através de uma educação básica de qualidade e de cursinhos pré-vestibular caros. Assim, as vagas mais cobiçadas acabam sendo supridas por estudantes de classe média-alta, jovens que, geralmente, nunca trabalharam.

O que resta a aqueles que necessitaram trabalhar desde novos para auxiliar no sustento da casa e que, já mais velhos, conseguiram uma brecha no orçamento para custear a universidade? A resposta retoma as conquistas recentes: as universidades de ensino a distância, mensalidades mais baixas, o ENEM e o ProUni.

Giovani Roehrs Gelati
http://giovanigelati.blogspot.com
grgletras@gmail.com
Uruguaiana, RS





Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

Eu não...

0 comentários
Eu não preciso de você nem pra andar e nem pra ser feliz, mas como seria bom andar e ser feliz ao seu lado.

Tati Bernardi

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Vou me deitar enquanto há sono

0 comentários
Vou me deitar enquanto há sono
Pois quando há sono, não há vazio
Pois quando há vazio, hão pensamentos
E quando muito se pensa, se tira o sono
E sem sono não se dorme,
Se pensa em alguém,
Se sofre e se chora
E tudo isso é desespero.
Desesperos causam devaneios incertos
E incertezas apontam caminhos diversos.
Caminhos diversos nos causam dúvidas
E dúvidas, são incertezas.

Victor Araújo
Linahres, ES



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

Velhos tempos

0 comentários
O pensamento voa.
Assim como o tempo,
é veloz e caprichoso!
Traz à memória lembranças
do que estava esquecido
bem distante, no passado!

Refletida no espelho do tempo
vejo-me novamente menina,
livre, sorridente,
cabelos,ao sabor do vento, flutuando
saltitando por verdes campos,
tentando pegar passarinhos,
seus ninhos vasculhando
ou colhendo flores,
de todas as cores,
que encontrava pelo caminho
e fazia ramalhetes,
que dava à mamãe,com carinho.

Multiplicam-se as lembranças
ao reviver minha infância
pelo tempo adormecida!

Nas longas noites de inverno
ao pé do fogão à lenha,
lembro papai, de sua vida,
contando a história
que eu, sofregamente, bebia
e guardava na memória!

Quanta saudade
daquela época abençoada,
das brincadeiras do dia a dia,
da infância despreocupada
que o tempo,sem piedade
transformou em passado!

Ah... quão feliz eu era
naqueles tempos de outrora,
Onde a alegria
mandava a tristeza embora!
Morava lá a felicidade,
que eu, na minha inocência,
não compreendia.
Oh Deus!
Como eu era feliz
e não sabia!

Antonia Nery Vanti (Vyrena)
http://sonhandocomvyrena.eu5.org
vyrena@terra.com.br
Porto Alegre/RS



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

A agonia de uma espera

0 comentários
A espera é... algo que, às vezes, sufoca.
Esperar não se sabe o quê, pode ser um torniquete em torno do pescoço, aquela mão que aperta até faltar o ar e temos que sair ao vento para conseguir respirar.
É o resultado do exame que nos deixa incrédulos. Não, não pode ser. Pode sim. Tanto pode que está aí. Expectativa. Vem a cirurgia. A biópsia. E com a biópsia o resultado. Ah, o resultado! É ruim. E o tratamento. Santo tratamento. Tudo depende dele. Quase tudo. Mas antes mais nada, é preciso começá-lo. Até lá? Fica-se sabendo que aquele plano de saúde caro, pago durante toda uma vida, não ajudará patavina alguma e você depende do outro, do público, daquele que não acreditávamos que funcionaria.
Pois é. Ficamos nas mãos da assistência do governo e dos santos intercederem por nós. Felizmente a notícia é boa. A grande luta entre o bem e o mal inicia. O opositor do mal não se renderá. Serão usados vários tipos de “munição”.
O tempo é implacável. Tic-tac, tic-tac, tic-tac. Ora é meu aliado. Ora é meu inimigo.
A espera. De novo ela. Não sabemos o final da história. O medo vem fazer companhia. A morte é a sombra. O otimismo é sol que faz a sombra desaparecer, mas como não há tempo aberto todo dia, a sombra insiste em aparecer e sorri sarcasticamente, lendo nos nossos olhos o medo que, por vezes, sentimos.
O sol faz companhia para a espera. E em alguns momentos, a certeza de que a saúde está sendo resgatada. Paz. Tranquilidade. De repente, novamente a dúvida, a espera... por saúde, pelo tratamento, pelo resultado do tratamento, da reação do corpo.
Ah, o corpo: como ele reagirá? É só esperar. Esperar. Ela não está sozinha. Com a espera sempre vem alguém: nuvem ou sol. O dia chega e a espera fica mais leve. Ânimos renovados. O tratamento começa. É lento. É longo. É sofrido. Não tem garantias. Tem probabilidades. Tem prognósticos. Traz esperança.
E a espera continua. Até onde ela vai? Até o final do tratamento? Ou do sofrimento?
Continuo aguardando. Sempre se espera algo. Não sei até quando... continuarei esperando. Enquanto há esperança, espero; enquanto espero, tenho esperança.

Rosane Roehrs Gelati
rosane.r.gelati@gmail.com
Uruguaiana, RS



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

A Origem

0 comentários



__________
Quer sugerir algum filme? Envie um e-mail para:
casadopoeta.stgo@gmail.com.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Incógnita

0 comentários
Às vezes sinto que meu tempo é curto
Estou quase na linha de chagada! Ou será de partida?

Não sinto medo, mas me pergunto
com ansiedade e uma grande curiosidade
pelo desconhecido. O que estará me aguardando
no outro lado dessa linha?

Será que lembrarei o que deixei para trás?
Sentirei ou não saudades do que vi e senti,
durante o tempo de minha viagem por aqui?

A vida e a morte se enfrentam e eu ali, entre elas,
à espera da decisão final. A vida já sei de cor.
A morte é a incógnita que me atormenta!

Antonia Nery Vanti (Vyrena)
http://sonhandocomvyrena.eu5.org
vyrena@terra.com.br
Porto Alegre/RS



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

A nossa velha infância

0 comentários
Existem datas especiais no calendário que nos fazem lembrar e presentear pessoas importantes na nossa vida. O comércio adora a Páscoa, o Dia das Mães, Dia dos Pais, Dia das Crianças, Natal e aniversários.
No dia 12 de outubro deste ano estava conversando com um amigo e comentei que não havia sido convidada a participar de uma festa para crianças pelo meu irmão de oito anos, a resposta foi imediata: Acho que porque tu cresceu um pouquinho. Não satisfeita, questionei sobre o fato de crescermos, deixarmos a infância. Ele respondeu que na idade adulta devemos trabalhar e nos estressamos, contudo, podemos sair à noite sem pedir permissão, viajar sozinhos, governar um país e mais uma lista de coisas “boas”.
Mesmo com tantos argumentos tentadores, continuo pensando que bom mesmo é ser criança. Existe fase melhor na vida que a infância? Eu trocaria as saídas à noite pelas muitas tardes brincando na rua, substituiria o trabalho, o salário e o estresse por oito horas de muita brincadeira, R$ 5,00 de mesada, muita risada sem hora marcada e pudor. Viajaria mais mil vezes com a família da minha amiga Ju e não governaria nada mais que uma bicicleta. Ainda, acharia que todos os homens são lindos e perfeitos como o Ken (esposo da Barbie), que cansaço é chegar na fase do Céu no jogo de elástico, que sorte é acertar as pedrinhas na casa certa na Amarelinha e só ficaria triste ao anoitecer com a mãe gritando no portão que está na hora do banho.
Foi uma época incrível e as amigas eram ainda mais. As irmãs mais velhas sempre rabugentas mandavam eu chispar da casa delas. Esforço em vão, sempre estava lá, dias ensolarados, chuvosos, gelados, com catapora ou sarampo. Brincávamos de tudo. Éramos atrizes de novelas mexicanas, passistas do Carnaval do Rio de Janeiro, colecionadoras de brindes do Kinder Ovo, Paquitas da Xuxa, professoras e tudo mais o que a imaginação permitisse.
Sempre é bom lembrar de momentos felizes, das brincadeiras simples e divertidas, dos jogos feitos com meia calça velha da mãe, com vassouras, bonecas, giz e pedrinhas. Os tombos com a minha Caloi Ceci vinho. Momentos saudosistas que também foram inspiração para o grande escritor Casimiro de Abreu em “Meus oito anos”: Oh! que saudades que tenho, da aurora da minha vida, da minha infância querida, que os anos não trazem mais.
Mas os dias de Xou da Xuxa, Trapalhões, He-Man, Caverna do Dragão, Pica-Pau e Mara Maravilha terminaram e o jeito é enfrentar as responsabilidades e compromissos que nos cabem com a mesma alegria de um convite para Amarelinha ou coisa do tipo.
Carrego valores que nenhum computador ou MP15 pode ensinar. Aprendemos com pessoas, através das brincadeiras de rua, da cumplicidade que construímos com amigos para esconder as travessuras dos "adultos". Da minha infância restaram muitas lembranças boas e amigas quase-irmãs que me acompanham sempre, é o que guardamos de melhor na vida. Deixamos as bonecas e as panelinhas de lado, choramos juntas por um amor perdido, dividimos a culpa em devorar brigadeiros, nos emocionamos ao ver a amiga casar ou esperar um bebê. Sempre resta um pouquinho da criança que fomos um dia.

Bruna Martini Madril
bru_martini912@hotmail.com
http://brumadril.blogspot.com
Uruguaiana, RS



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para
casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

Hoje

0 comentários
Hoje o dia amanheceu tristonho
Dentro de mim!
Nuvens encobrem o sol
De minha alma
Acabrunhada!

O sorriso, quase constante
Em meus olhos,
Escondeu-se no fundo
Da melancolia
Que de mim se apossou.

Hoje meu dia amanheceu
Cabisbaixo, pensativo.
Um absurdo cansaço me abateu.
O pensamento adormeceu,
A inspiração esmoreceu.
A poesia que, de minha vida, é a fonte,
Uma imensa tristeza
A tem encarcerada.

Espero que o amanhã,
Com sol claro e sorridente
Venha minha alegria despertar,
Devolva-me a inspiração,
Dê forças a meu corpo cansado,
Solte meus versos acorrentados,
E que o sol de minha alma,
Faça outra vez brilhar!

Antonia Nery Vanti (Vyrena)
http://sonhandocomvyrena.eu5.org
vyrena@terra.com.br
Porto Alegre/RS



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

Sentimental (Los Hermanos)

0 comentários

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Travesseiro amigo

0 comentários
Meu velho travesseiro,
amigo de tantas noites
de saudade, tristeza e dor.
Quantas vezes emprestaste-me
o ombro macio
para afogar minhas mágoas
e secar as lágrimas
que derramei por amor!

Quantas vezes,
abracei-me a ti soluçando,
o coração estraçalhado,
como louco palpitando
quase a morrer de dor.
E tu, amigo querido,
deste-me conforto
com tua maciez e calor.

Mais uma vez, volto a chorar,
mas não de dor ou saudade.
Vou contar-te um segredo:
Da solidão não sinto mais medo.
Sabes porque meu amigo?
Encontrei a felicidade!

Antonia Nery Vanti (Vyrena)
http://sonhandocomvyrena.eu5.org
vyrena@terra.com.br
Porto Alegre/RS



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

O golpe do disque-sequestro

0 comentários
Estamos com o seu filho. Não desligue o telefone, senão apagamos ele. Se avisar a polícia, ele morre. Você quer o seu filho vivo? Então deverá fazer exatamente o que estou dizendo. Deposite cinco mil reais nesta conta, anota aí.... E nada de avisar a polícia, certo?
Foi mais ou menos esse o diálogo inicial de um conhecido meu com o suposto sequestrador do seu filho. Este fato ocorreu meses atrás, mas sua incidência é quotidiana. Não havia sequestrador, muito menos sequestrado. É um golpe ao qual muitas pessoas já sucumbiram. Não é novidade aos bandidos essa maneira de ganhar dinheiro “fácil”. Infelizmente, a mente humana tem o seu brilhantismo também à disposição do mal.
A história acima ocorreu ao amanhecer de uma quinta-feira, com dois idosos. Eles tomavam seu chimarrão costumeiro quando receberam a ligação pelo celular. Ao ouvir que o filho fora sequestrado, o pai mal conseguiu raciocinar e continuou acreditando na mentira maldosa. Era cedo e o banco não havia aberto ainda. Saiu o casal, desesperado pela rua, gritando que o filho iria morrer, a caminho do banco. “É caso de vida ou morte”, respondeu a mãe ao segurança do banco. Este chamou o gerente, que os mandou entrar. Enquanto a polícia dirigia-se ao banco, acionada pela gerência, o pai continuava ao telefone, sendo ameaçado pelos sequestradores. O desespero era tanto que a mãe não recordava o número do filho, até lembrar-se que estava anotado na sua agenda. A ligação foi realizada e o primogênito, que estava são e salvo em casa, tranquilizou todos. Ficou evidente que se tratava de um falso sequestro pelo telefone. Realmente, não passava de uma ligação feita por bandidos que tentavam subtrair dinheiro de duas pessoas que não conheciam, mas sabiam dos efeitos devastadores das suas palavras.
“Eu escutei a voz do meu filho, era ele mesmo”. O desespero em que a pessoa entra após ouvir que alguma pessoa muito próxima foi sequestrada acaba por diminuir o discernimento entre realidade e ficção. É o que afirmou o psiquiatra Eduardo Ferreira-Santos, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo, na edição de 12 de fevereiro de 2007, da Revista Veja: “O estado de desorganização mental que se segue a uma notícia de acidente ou sequestro do filho ou cônjuge faz com que a vítima entre em um estado de quase-hipnose”. A reportagem antiga faz perceber que o golpe é velho. Ainda assim, muita gente continua sendo vítima de pilantragens como esta.
Outra modalidade semelhante ao “disque-sequestro” é a “ligação-premiada”, onde um suposto funcionário de uma empresa conhecida informa que a pessoa ganhou boa quantia em dinheiro e para que seja depositado na sua conta, deve comprar cartões telefônicos e informar o número do código, ou então depositar 500 reais para ganhar os dois mil da premiação.
Ligações como essas podem ocorrer tanto em São Paulo como em qualquer outro canto do país. Ainda mais com a facilidade que existe, atualmente, em acessar as informações de qualquer pessoa. As lojas detêm um cadastro com incontáveis informações pessoais, que vão de nome completo a filiação, CPF e endereço.
As redes de relacionamento na internet dispõem de álbuns de foto, onde o internauta divulga imagens da sua casa, dos pais, filhos, irmãos, amigos de maior convivência, local de trabalho, isso se não escancarar o endereço e o número do celular. Basta um acesso rápido aos álbuns, nem sempre disponíveis apenas a amigos, mas a amigos dos amigos ou àqueles que são adicionados sem realmente sabermos quem são e, pronto, tem-se uma ficha completa. Também são encontradas informações que você quer que apareçam e também o que não quer se digitar o seu nome no site do Google: concursos realizados, aprovações, promoções em empresa pública ou caso seja citado num site; tudo isto estará/está disponível na web.
É muita informação solta, livre e fácil de ser encontrada e fica difícil manter em segredo, na internet, a própria atividade profissional, rede de amigos e demais dados pessoais. Ajuda se controlar o impulso de postar na internet tudo o que ocorre consigo. A foto está tão bonita, dá tanta vontade de deixá-la pública para que os meus amigos vejam. E para que os inimigos invejem. É um enorme campo para contraventores aproveitarem-se e usarem contra nós. Não se desesperar ao ouvir o anúncio do sequestro, quando ele pode ser verdadeiro, é uma tarefa difícil. Mas é possível bloquear imagens, selecioná-las melhor para que nossa vida fique menos exposta e tentar permanecer sempre atento a qualquer chamada fora do usual.

Giovani Roehrs Gelati
http://giovanigelati.blogspot.com
grgletras@gmail.com
Uruguaiana, RS





Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

Se A...

0 comentários
Se A é o sucesso, então A é igual a X mais Y mais Z. O trabalho é X; Y é o lazer; e Z é manter a boca fechada.

Albert Einstein

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Kick Ass

0 comentários



__________
Quer sugerir algum filme? Envie um e-mail para:
casadopoeta.stgo@gmail.com.

Armadura de papel

0 comentários
Lutar contra esse amor,
é covardia.
Esse amor me aniquila no primeiro golpe.
É luta perdida…

Impedir esse amor:
Que bobagem!
Se ele flui sem barreiras por todo corpo
e só para onde bem sabe.

Berg Nascimento
http://poesiasciberneticas.blogspot.com
rnascimento_rio@hotmail.com
Rio de Janeiro, RJ



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Quando amo

0 comentários
Quando amo,
entrego-me
completamente.
Jogo-me de cabeça
nesse sentimento.
Não calculo medidas,
não me prendo
a nenhum preceito.
Quando amo,
amo apaixonadamente!

Quando amo,
minh'alma
entra em transe,
viajando
em devaneios.
Meus desejos
mais íntimos
afloram
sem preconceitos.
Satisfaço todos
os meus anseios!

Quando amo,
transformo-me
em carinho.
Sou toda meiguice
para com meu amado!
Sou abraço,
sou beijo,
sou fogosa,
ardente, dengosa.
Sou fêmea no cio,
sou o sabor do desejo,
com cheiro de pecado!

Antonia Nery Vanti (Vyrena)
http://sonhandocomvyrena.eu5.org
vyrena@terra.com.br
Porto Alegre/RS



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

Antología (Shakira)

0 comentários

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Ano novo e educação velha

1 comentários
O Brasil está num momento de euforia econômica, de lindos índices. A pobreza diminui progressivamente e a tendência é que caia ritmadamente. Mas a educação... a filha problemática do Governo, continua cambaleante. Anda como uma filha pequena, mal-amada pelos pais, maltratada e escanteada do contexto familiar. É o que esclareceu a revista ISTOÉ Independente, de 10 de dezembro de 2010, com a reportagem “A chaga da educação”, denunciando o que todos sabem ou já perceberam: a leitura no nosso país é fraca e os cálculos matemáticos andam de mal a pior.
Essa sentença é ilustrada pela realização, entre os dias 18 e 29 de agosto do ano passado nas cinco regiões brasileiras, a prova do Pisa (O Programa Internacional de Avaliação de Alunos). Aplicada pelo INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), o exame colocou-nos no vergonhoso 53º lugar dentre 65 países analisados. Foram avaliados conhecimentos em matemática, leitura e ciências.
Esteve na contramão dessa realidade educacional, a posse de Dilma no dia 1º de janeiro. Envolta aos números positivos da diminuição da pobreza absoluta no Brasil e a índices econômicos favoráveis que nos colocam como possível 5ª economia mundial dentro de alguns anos, não parece que estamos no mesmo país de 14 milhões de analfabetos e 15,6 milhões de analfabetos funcionais, conforme estudo do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) de 09 de dezembro de 2010.
No discurso de posse, a presidente Dilma Rousseff ressaltou que junto com a erradiação da miséria, seu governo lutará pela qualidade da educação, saúde e segurança. São estes os três pilares da sociedade, onde a luta pela excelência deveria ser, há muito, ponto de honra. Mas jamais foi.
Nunca se falou tanto na importância da educação para o desenvolvimento do país. Contudo, as ações continuam estanques, nulas. Na edição de 31 de dezembro de 2010, da Zero Hora, o artigo
de opinião “As emoções fraudadas”, do professor universitário e membro da Academia Nacional de Medicina, José Camargo, alertou para os impulsos de euforia da economia brasileira contrapostos com os nossos índices vergonhosos de analfabetismo e semianalfabetismo. Como máxima em seu texto, disse o seguinte: “Nenhum país fez, ou fará, a escalada rumo ao desenvolvimento verdadeiro sem educação!”
Na mesma edição, a jornalista Rosane de Oliveira publicou na sua coluna que é a vez de Dilma ascender com luz própria no cenário político, depois de crescer sob a sombra do popularíssimo Lula. Dentre os pontos destacados que urgem como necessários para tratamento pela presidente,
foi “...o desafio de acabar com o analfabetismo, melhorar a qualidade da educação e aumentar o tempo de permanência na escola. A história lhe cobrará caro -de Dilma- se negligenciar a educação”.
Todos pela educação. Ela é importante. E as palavras sobre os benefícios do ensino são empolgantes. Mas precisamos mais que frases bonitas, iniciando pelo salário dos professores. Dentre as profissões de ensino superior, a licenciatura figura como a irmã pobre. A revolução do ensino perpassa um salário digno aos professores.
Ainda, há muitas escolas sucateadas e a tecnologia, amplamente utilizada pelos estudantes em casa e na rua, ainda é um dragão assombroso nas escolas. É incipiente e necessita galgar largos passos para que seja inserida nas aulas, tornando-as mais atraentes aos discentes.
Dilma no Planalto e Tarso no Piratini não devem esquecer nossos estudantes. Não podem ignorar as crianças, porque serão elas que definirão o futuro, presidirão empresas, escolherão governantes nas eleições, serão a população economicamente ativa. E só seremos um país de iguais oportunidades se, hoje, todos os estudantes tiverem um ensino de qualidade. Caso contrário, continuaremos com a vergonhosa realidade educacional que presenciamos.

Giovani Roehrs Gelati
http://giovanigelati.blogspot.com
grgletras@gmail.com
Uruguaiana, RS





Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

Razão de viver

0 comentários
Contemplando a abóboda celeste,
sintonizei-me com a natureza,
deixei-me levar por caminhos de estrelas,
embrenhei-me por jardins floridos,
percebi brilhos, aspirei perfumes.

Relaxei no colo da vida,
expulsei de mim as tensões
que se esvaíram, dando lugar
à força da criação.

Abriram-se as portas da percepção.
Cheguei onde queria...
voou livre a imaginação.
Entreguei-me à poesia
que, nas entrelinhas,
de meu viver é a razão.

Antonia Nery Vanti (Vyrena)
http://sonhandocomvyrena.eu5.org
vyrena@terra.com.br
Porto Alegre/RS



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

Convite de Aniversário da Casa do Poeta

0 comentários

Exige muito...

0 comentários
Exige muito de ti e espera pouco dos outros. Assim, evitarás muitos aborrecimentos.

Confúcio

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

A Rede Social

0 comentários


__________
Quer sugerir algum filme? Envie um e-mail para:
casadopoeta.stgo@gmail.com.

Quase felicidade

0 comentários
Como um fantasma
invades
minhas noites,
entras em
meus sonhos,
com tuas carícias
atrevidas
dando-me a ilusão
de realidade.
Um despertar solitário
e ainda sonolento,
rebusca
no inconsciente
aqueles falsos
momentos
de quase felicidade!

Antonia Nery Vanti (Vyrena)
http://sonhandocomvyrena.eu5.org
vyrena@terra.com.br
Porto Alegre/RS



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

O Apanhador de Sonhos (Stephen King)

1 comentários

Une, numa mesma história, terror, amizade e ficção científica. O cenário é a pacata cidade de Derry, no Maine, estado onde mora Stephen King e eleito pelo escritor para ilustrar grande parte de suas mais famosas tramas. E é lá; que quatro garotos presenciam uma cena chocante: Duddits, um menino portador de síndrome de Down, é torturado por uma gangue de adolescentes. Num ato de coragem os quatro conseguem salvar a vida do indefeso menino.

O que os amigos não ficam sabendo é que Duddits é um menino especial, com poderes para penetrar na mente de outras pessoas e compartilhar pensamentos e lembranças. Uma espécie de apanhador de sonhos. Em pouco mais de duas décadas, esse encontro será; fundamental para salvar a vida de toda uma cidade.

Uma floresta do Maine, 25 anos depois: os quatro, agora homens, mais uma vez se encontram diante de uma cena que os atormenta. Um homem aparentemente perturbado solta frases desconexas sobre luzes vindas do céu. Em meio à noite, os sussurros soam como uma terrível profecia que se concretiza. Seres alienígenas invadem a cidade de Derry, matando gente, bichos e vegetação. Assim como o apanhador de sonhos, capturam mentes. Menos a de Duddits. E ele, que tem a mesma capacidade especial dos asquerosos e malignos extraterrestres, será; o único que poderá; salvar a cidade dos alienígenas e, conseqüentemente, impedir que agentes do FBI levem a cabo o plano de dizimar toda espécie viva da região e afastando, definitivamente, a ameaça que veio do espaço.


__________
Toda semana uma dica de livro para você.
Para sugerir algum título, envie um e-mail para:

Permite

0 comentários
Permite que eu te ame
Com esse amor que sinto agora,
com essa força de sentimentos
que nasceu em meu peito
e de minha vontade se assenhora.

Permite que eu te ame
com toda minha ternura
com meus carinhos e beijos
com o imenso desejo
que nasce dessa doce loucura.

Permite que eu te ame,
nem que seja por um dia,
ou mesmo por um momento
intensamente vivido
para jamais ser esquecido!

Antonia Nery Vanti (Vyrena)
http://sonhandocomvyrena.eu5.org
vyrena@terra.com.br
Porto Alegre/RS



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Retrato antigo

0 comentários
Naquele retrato antigo
Perdido no fundo da gaveta,
Encontrei-me quase menina,
Quando o viço da juventude
Marcava meus traços,
O sorriso aberto mostrava a alegria
Que em minha vida era uma constante.

Bateu uma nostalgia
Uma vontade de voltar no tempo,
Viver tudo novamente,
Apreciando cada momento,
Que quando jovem não valorizava.
Não sabia que o tempo malvado,

Vai mudando tudo na gente!
Agora, ao ver esse retrato antigo,
Meio desbotado, amarelado,
Vejo como o tempo maltrata,
Nos transforma e nos torna diferente!

Antonia Nery Vanti (Vyrena)
http://sonhandocomvyrena.eu5.org
vyrena@terra.com.br
Porto Alegre/RS



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

Galo

0 comentários
Joaquim Tenreiro

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Você partiu

0 comentários
Você partiu
Soltou minha mão
que, para o vazio,
acenando ficou.

O além, a subjugou.
Como num passe de mágica,
Você, de mim, arrancou.

Sua voz, não mais ouvi!
Seu olhar em mim
não mais senti!

Você partiu...
eu...estou aqui...
perdida num labirinto
de dor sem fim!

Antonia Nery Vanti (Vyrena)
http://sonhandocomvyrena.eu5.org
vyrena@terra.com.br
Porto Alegre/RS



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

Ser feliz...

0 comentários
Ser feliz sem motivo é a mais autêntica forma de felicidade.

Carlos Drummond de Andrade
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...