terça-feira, 6 de agosto de 2013

Sou eu o Louco

Estou refletindo Pai.
Estou refletindo sobre tudo.
Sou eu o louco.
Sacrifico as vidas de pessoas que amo em nome da minha loucura.
Sou eu quem não vai à praia, ao parque.
Sou eu que não passeio pela cidade, minha linda cidade.
Sou eu que não ando descalço, ou tomo banho de chuva, e não pinto a asa.
Sou eu que não sinto a morte alheia, mas “morro” de medo da minha.
Sou eu quem não dura em emprego
Quem não ganha dinheiro e se esconde no quarto.
Sou eu que não luto por medo do fracasso e por medo do fracasso não luto.
Sou eu Pai. Sou eu o louco. Ajuda-me...
Sei que tu usas as coisas loucas deste mundo
Mas quero ser um louco consciente; um louco coerente e sensato.
Um louco cheio de vida e alegria, que sorria todo dia.
Um louco abençoado e próspero, cheio de saúde.
Quero ser louco universitário, louco advogado, louco juiz.
Quero ser louco jogando xadrez com meu filho
Brincando de roda com minha filha
Fazendo loucuras de amor para minha esposa.
Oh Pai, não quero a loucura doentia, quero a loucura sadia.
Quero ser louco humano; sem medo de errar, ou errando sem medo.

Ivo Maranhão Costa
Olinda/PE



* Quer divulgar seus textos no blog da Casa do Poeta de Santiago? Clique aqui. *

ATENÇÃO: A Casa do Poeta de Santiago não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos ou pelas ideias expressadas por estes. Os artigos publicados neste espaço são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as ideias pessoais dos mesmos.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...