sábado, 11 de maio de 2013

Geração Clichê

Emaranhados na teia da vida trilhamos a passos lentos caminhos que desconhecem o fim. Durante essa jornada vestimos a armadura, aprendemos por medo a segurar as lágrimas e a esconder o que sentimos. Não é permitido fraquejar, vivemos para ser fortes, mas por vezes esquecemos o quão frágeis somos.

 Meras crianças condenadas a labirintos de sonhos, contradições, presas  a um ciclo eterno de amores e decepções, seguimos em universos paralelos encarcerados por nossas próprias prisões de liberdade. Sobrevivemos alimentados do egoísmo ditado pelo sistema e desaprendemos aquilo que temos de mais belo, o dom de amar sem motivos aqueles que nos cercam porque os mesmos são feitos de carne, osso, porque é uma vida e somos iguais.

Rotulados, embalados em roupas de marca o que mais tem torna-se superior. O abraço sincero, o beijo no rosto, o olho no olho são deixados de lado para dar espaço a uma ditadura de aparências onde status e futilidades se sobressaem. Até quando viveremos assim desorientados, distantes do que nos faz diferentes? Onde estarão aqueles que valorizam a essência? Será que o “humano” é uma espécie em extinção?


Angélica Erd 
Santiago, RS


Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

ATENÇÃO: A Casa do Poeta de Santiago não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos ou pelas ideias expressadas por estes. Os artigos publicados neste espaço são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as ideias pessoais dos mesmos.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...