quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

O filho bastardo de Nantucket

Já fazem três anos q ando a deriva por esses mares.
Comecei de uma forma impulsiva, pegando carona em um grande e pesado navio.
Passei quase um ano como um clandestino ,vivendo de batatas e bebidas q roubava a noite no convés. A tripulação desse gigante dinossauro de madeira ,era composta de jovens marujos com pouca experiência e não muito acostumados com a vida errante do infinito horizonte azul.
Quando fui acordado pelo tranco e tive a certeza q estávamos ancorados,resolvi descer no porto e me incluir em o utro navio,desta vez não como um passageiro entre as sombras e barris no porão úmido,mas como um marujo disposto a dar duro para conseguir um estadia plena e mais confortável.
Lá estava eu ,com meus pés sobre o navio pescador Montery. As coisas não correram como previa,nas primeiras semanas conheci o primeiro imediato e pude ter noção de como funcionava aquela maquina preguiçosa e pouco saudável. Ian era um homem com aparência velha, agressiva e rancorosa, talvez um ser endurecido por tantos anos no montery.

Guga Mutchal
gugamutchal@bol.com.br
Santiago, RS



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho paracasadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

ATENÇÃO: A Casa do Poeta de Santiago não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos ou pelas idéias expressadas por estes. Os artigos publicados neste espaço são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as idéias pessoais dos mesmos.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...