segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Do quartinho que eu estava...

Do quartinho que eu estava
onde não conseguia dormir
estava eu bem escorada
na janela, lembrando de ti

dos velhos tempos, onde o chimarrão
e os enlouquecidos risos eram nossos companheiros
e o vento, de tão forte, batia ao meu rosto
escrevendo num papel o teu eterno esboço

dessa peça miuda - sua humilde residência,
encontro no céu as estrelas mais lindas
que, enquanto sua permanência,
me servem de luz nessa minha carência

do bem material foi o que restou
do espírito eu não sei, mas o mar não o levou
pois ainda sinto aqui, nesta casa miuda, algo que canta
a mais grandiosa beleza em ti:
tua história gigantesca, minha querida avó Santa.

Fernanda Fávero Alberti
http://poeta-de-privada.blogspot.com
fernanda.lbrt@gmail.com
Santiago, RS



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

ATENÇÃO: A Casa do Poeta de Santiago não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos ou pelas idéias expressadas por estes. Os artigos publicados neste espaço são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as idéias pessoais dos mesmos.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...