terça-feira, 9 de agosto de 2011

O brilho das nazarenas

Brilhavam as nazarenas
Naquele taura pilchado
Que eu vi entrar no fandango
De chapéu, de faca e mango
E um jeitão de debochado

O porteiro pacholento
Nem se importou com o taita
Então veio a autoridade
Do patrão da entidade
Mandando parar a gaita

Retirou o cuera do baile
Pediu que ele fosse embora
Pois nesse fervor de gente
Não se aceita um vivente
Querendo dançar de espora

As normas do MTG
São claras e respeitadas
Tradição, arte e cultura
Quem achar que é grossura
Que vá dançar nas baladas

Os costumes de outros pagos
A tradição não adota
Modismos cheios de balda
Brinco e lenço à meia espalda
E bombacha encima da bota

O meu Rio Grande do Sul
Conserva a sua identidade
Recebeu o imigrante
Mas, ensinou num instante
A ser gaúcho de verdade

Clodinei Silveira Machado
silveiraselva@ibest.com.br
Santo Ângelo, RS



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

ATENÇÃO: A Casa do Poeta de Santiago não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos ou pelas idéias expressadas por estes. Os artigos publicados neste espaço são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as idéias pessoais dos mesmos.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...