segunda-feira, 25 de julho de 2011

Sobre o dia do escritor

O solitário ato da escrita merece mesmo uma homenagem: como diz Vinícius de Moraes, “a poesia foi para mim uma mulher cruel em cujos braços me abandonei sem remissão, sem sequer pedir perdão a todas as mulheres que por ela abandonei”.

Quanto de solidão há no ato de escrever; por outro lado, quanto de tentativa de transcendência há no ato também, de busca do humano, do outro ser humano. Leitura é diálogo, de quem escreve e de quem lê, um não existe sem o outro.

A esse respeito, humildemente, rendo o atributo ao nosso escritor maior, só não maior ainda porque a língua que lhe coube (a portuguesa) - por determinantes sociohistoricoculturaisealhures - não é lá muito prestigiada.

O micropoema em questão estará em meu novo livro, Geração Pixel:

Lê-la, Diniz

Todo escritor
Quer ser um pouco
Machado de Assis.

Breno Serafini
http://www.brenoserafini.com.br
Porto Alegre/RS



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para
casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

ATENÇÃO: A Casa do Poeta de Santiago não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos ou pelas idéias expressadas por estes. Os artigos publicados neste espaço são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as idéias pessoais dos mesmos.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...