segunda-feira, 25 de julho de 2011

Cambona preta

Vou carnear um porco gordo na fazenda
Com a velha xerenga bem chairada
Já tomei um gól de mate topetudo
Vou com tudo, começar a empreitada

A cambona d'água quente tá no fogo
E a cuia tá com erva bem cevada
O piazedo tá brincando em alvoroço
Num retoço atiçando a guaipecada

(Dá de mão nessa cambona, meu guri
Dá de mão nessa cambona e trás aqui
Dá de mão nessa cambona, meu guri
Já te disse e não volto a repetir)

Este porco é um munaio de tamanho
De torresmo vai encher um gamelão
Dá salame, dá morcilha e carnaredo
E o couredo vai dar gosto no feijão

Na cozinha, nós não temos frigider
Frito a carne e boto na lata de banha
No descanso, pego a cuia e a cambona
De carona trago uma guampa de canha

Clodinei Silveira Machado
silveiraselva@ibest.com.br
Santo Ângelo, RS



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

ATENÇÃO: A Casa do Poeta de Santiago não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos ou pelas idéias expressadas por estes. Os artigos publicados neste espaço são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as idéias pessoais dos mesmos.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...