domingo, 26 de junho de 2011

Sentir, sentir-se bem

Eu não sei explicar, leitores. Apenas sinto, o que não deveria sentir ou se quer pensar em um dia em senti-lo.
E admito pouco sei transpor o que passei a sentir neste papel amassado que acabei por achar na gaveta da cômoda velha do quarto.

A fase é boa, não nego. Acho que chega a ser passageira, por isso o medo de que os momentos bons passem como um filme de curta metragem , e acreditem estou muito exigente ultimamente para me contentar com apenas o bom, ou se quer apenas uma fase.
Quero o eterno eufórico, seria possível ?
Afinal, não sei bem ao certo se o para sempre sempre acaba mesmo, questiono-me.

O coração pesa tanto que fica até difícil de se carregar, a consciência tortura e o medo de um futuro incerto predomina.

Às vezes, fecho os olhos na tentativa de sentir o vento passando, a água molhando os pés, o cabelo se esparramando pela brisa, e a saudade batendo apertada no peito, pois não é para menos que dizem que o essencial é invisível aos olhos,
Há de senti-los.


SENTIR

Verbo impossível e longe de uma definição.
Sentir é eufórico é como estar em êxtase puro e há de se escrever para diminuir a ânsia e febre de sentir.
Sinto tanto que chego a ter pena de mim mesmo quando “estes sentimentos” derem por um fim, quando o oco predominar e a consciência pesar, novamente.
Será doloroso, pungente.

Por isso acho eufemismo, hipérbole, neologismo,pleonasmo, metonímia, ..; Todas as figuras de estilo que conseguir transpor em pensamento neste instante.
Acho redundante até escrever sobre a “tal febre de sentir”
Como pegar um guardanapo no bar e começar escrever devaneios loucos só para passar o tempo excruciante que se recusa a passar em horas, minutos e segundos normalmente.
Retirar toda monotonia do espaço e do coração, naquele momento.

É viver para crer e prover, tudo no seu devido tempo, é óbvio.

E por ser tão óbvio se torna difícil, incompreensível, sem graça, começando errado para nunca chegar a dar certo, fracasso de pensamento.
Detesto o óbvio, por sinal.
Cheguei no clímax.

Subtenda-se. E nem se permita a tentar transpor sentimentos em crases, interrogações, palavras soltas a mero acaso, acentos circunflexos, seja o que for que limite as artérias da imaginação.

Admita para si mesmo, há muitos livros de auto-ajuda na estante da sala não é verdade ?
Pergunto à vocês agora, eles lhe “ensinam” a sentir ?

Não caríssimos, infelizmente chego a uma amarga e complexa conclusão,
sentimentos não são hereditários, não são ensinados, não são aprendidos, ou sequer são transpostos, ...Fáceis seriam se fossem, mas não são.

Hesito.

Largue essa definição forjada do que é fácil ou difícil.
Nada é o que aparenta ser, e sim, se todos lhe disserem que há o fácil e o difícil esperando uma escolha sua diga que toda unanimidade é burra e que ser fácil ou difícil é mero estereótipo criado por uma mente nada sã e nada sadia, apenas para tornar prática a vida do ser humano e lhe atormentá-lo com escolhas a serem feitas.

E como sentimentos estão muito longe ainda de uma definição, pratique a vivência, sim, permita-se a vive-los.
Arrume o coração e sempre deixe espaço para mais um sentimento bom entrar pela janela,
Lhe fazendo bem , para que lhe abra o sorriso todas a as manhãs , que dilua toda angústia e tome o lugar de toda decepção,
E nunca se esqueçam, todo sentimento bom e que faz bem lhe apresenta uma nova amiga:
Prazer, a esperança.

Aquela recorrida nos tempos amargos e difíceis, quando tudo perde o sentido e a sorte parece ter abandonado o barco.., a velha e simpática esperança, que quando se dá por seu fim começamos a morrer lentamente, estagnamos.
Nunca a perca de vista.

Permita-se a sentir, vivenciar, colocar em prática.
Sinta como se não devesse sentir, como não houvesse obrigação de senti-lo.
Sinta como quem nada sem saber se a água é de fato fria, mas “pula de cabeça” nela.
Sinta como quem sente por não saber o que vem por amanhã, mas está satisfeito só por haver um.
Alie-se à esperança e siga de mãos dadas com ela.
Empregue o imperativo.

E sinta como quem sente tão livremente para só se sentir bem.

Amanda Lemos Lages
http://bolgdoano.blogspot.com
lemoslages@hotmail.com
Montes Claros, MG



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.



ATENÇÃO: A Casa do Poeta de Santiago não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos ou pelas idéias expressadas por estes. Os artigos publicados neste espaço são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as idéias pessoais dos mesmos.

Um comentário:

Camilla Cruz, disse...

Adorei! Muito legal o texto!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...