terça-feira, 21 de junho de 2011

O tempo

O tempo, grande carrasco,
deixa marcas na gente.
Pele fenecendo,
cabelo encanecendo,
enfraquecem os olhos,
já não vemos do mesmo jeito

Memória inconsequente
não nos deixa pensar direito.
Pernas bambas,
juntas tornam-se dormentes.
Lembranças sumindo,
rugas se alastrando,
o frescor da pele roubando.

Lábios murchando,
sorriso não é como antes
vão caindo os dentes.
Remédio é dentadura
ou então, implante.

Essa é a tal velhice,
para onde ele nos empurrou
contra nossa própria vontade.

O tempo acaba com a gente por fora,
mas a alma não é tocada.
Podemos ser velhos por fora,
mas lá, bem no fundo,
juventude inda faz morada.

Antonia Nery Vanti (Vyrena)
http://sonhandocomvyrena.eu5.org
vyrena@terra.com.br
Porto Alegre/RS



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

ATENÇÃO: A Casa do Poeta de Santiago não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos ou pelas idéias expressadas por estes. Os artigos publicados neste espaço são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as idéias pessoais dos mesmos.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...