terça-feira, 21 de junho de 2011

Cardã quebrado

Barbaridade! Las-puchas!
Dias e dias de viajem.
Começa a crer na imagem,
Daquilo que mais queria:
Encontrar uma guria,
Que lhe aliviasse a bagagem.

Sofrenando um caminhão
Na lida de motorista
Depois de horas na pista,
Decide fazer um alto
E num posto, à beira do asfalto,
Principia uma conquista.

E, se arrincona num canto
Abraçado à formosura.
E, pede àquela criatura,
Com audácia e receio,
Posso apalpar-lhe os seios?
Que a situação está dura!

Se julgando um vivaracho,
Enlaça firme a percanta.
Fala que coca e fanta,
Têm lá suas diferenças.
E, se uma cabeça não pensa,
A outra é que se agiganta.

Entre acertos e carinhos,
Gorja e lábios molhados.
Foi despindo-a, com cuidado,
Mas - sentiu - na 'moça' havia,
Algo que até parecia:
Um grande cardã quebrado!

Clodinei Silveira Machado
silveiraselva@ibest.com.br
Santo Ângelo, RS



Se você quiser divulgar neste espaço, envie seu seu trabalho para casadopoeta.stgo@gmail.com com os seguintes dados: nome completo; foto; blog (se tiver); e-mail para contato e cidade/estado.

ATENÇÃO: A Casa do Poeta de Santiago não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos ou pelas idéias expressadas por estes. Os artigos publicados neste espaço são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores, e expressam as idéias pessoais dos mesmos.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...